MOJUÍ DOS CAMPOS SAÚDE

Procedimentos do MPPA vão apurar transparência na fila do SUS em Mojuí dos Campos

O MP vai apurar, também, o estoque de medicamentos no município.

Da Redação*

O Ministério Público do Pará – MPPA, instaurou procedimentos administrativos para acompanhar e fiscalizar questões estruturais no serviço de saúde prestado pela rede pública de Mojuí dos Campos. A ação também vai ocorrer em Santarém e Belterra, no oeste do Pará. Um dos objetivos é fomentar o controle social e discutir as causas que levaram a situação da saúde a se apresentar da forma atual.

O acompanhamento é feito pela 8ª Promotoria de Justiça e inclui serviços prestados por hospitais e unidades de atendimento, estoque de medicamentos e sistema de regulação do SUS, principalmente com foco na transparência e controle de informações da fila de espera pelos usuários.

Outro Procedimento Administrativo foi instaurado para acompanhar e fiscalizar o controle e a transparência do estoque de medicamentos e insumos no âmbito do 9º Centro Regional de Saúde da Sespa e das Secretarias Municipais de Saúde de Santarém, Belterra e Mojuí dos Campos. O MPPA recebeu denúncias de desabastecimento de estoques de medicamentos, a nível estadual e municipal, o que pode resultar em paralisação no fluxo de atendimentos.

Como há demandas individuais na promotoria relativas à falta de medicação no âmbito municipal e estadual, é necessário tratar a questão de forma estrutural, sobretudo porque tem reflexos nas demandas de outros pacientes.

Um caso que já é objeto de Ação Civil Pública é a falta de medicamentos para pacientes renais crônicos. A ACP foi ajuizada no dia 19 de dezembro de 2020 e aguarda decisão pelo judiciário.

Quanto ao sistema de regulação do SUS, o acompanhamento inclui as transferências, vaga de leitos, consultas, exames, procedimentos, posição na fila, estimativa de tempo de espera, dentre outras informações, e a transparência desses dados. Estão sendo realizadas diligências para instrução do procedimento instaurado em 2017, para acompanhar e fiscalizar os serviços de saúde pactuados com o Município de Santarém e fiscalizar os sistemas municipal e estadual de regulação.

A promotoria solicitou ainda informações ao Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em relação ao número de cirurgias por especialidade, e empresas contratadas pela OS Pro Saúde, com os respectivos contratos.

Controle social

Conforme o MPPA, as filas de espera do SUS e o controle do estoque de medicamentos estão entre os principais dados que necessitam maior transparência nas informações, e acesso pelos usuários, de modo a conhecerem os critérios técnicos de estar em determinada posição na fila.

Alguns Estados brasileiros, como Santa Catarina, possuem Lei Estadual que regulamentou a criação de um portal da transparência com as listas de espera dos pacientes que aguardam por consultas. Outros já implementaram portais de consulta, como a Bahia e o Amazonas.

O acesso permite ampla transparência e evita apadrinhamentos e corrupção, com pessoas “furando fila”, o que é objeto de constantes questionamentos de usuários, e foi inclusive uma das motivações do início da Operação Perfuga, em Santarém, no ano de 2017, com esquema de corrupção comandado pelo ex-vereador Reginaldo Campos, além de outras denúncias do MPPA, a exemplo de uma técnica de enfermagem condenada no ano de 2105 por receber dinheiro para facilitar a transferência de pacientes do HRBA.

Nesse sentido, a 8ª Promotoria de Justiça solicita informações dos conselhos, representantes do poder executivo e legislativo, para a necessidade de discutir sobre mecanismo semelhante a ser implantado no Estado e no Município, diante da pressão da demanda da saúde sobre Santarém, que recebe pacientes de toda a região do Baixo Amazonas.

*Com informações do G1 Santarém

Mojuí na Íntegra
Jornalismo Cidadão, Mídia Ativismo e Comunicação Popular
https://www.mojuinaintegra.com.br

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.